quinta-feira, março 06, 2008

(2382) SEGREDOS PERDIDOS E ACHADOS

Hoje aconteceu um debate sui generis no Parlamento. O PCP, olha quem, quer ter acesso aos segredos do Estado. Saudoso dos tempos em que angariou ficheiros da PIDE lá para casa e para o KGB. O CDS atacou o PCP dizendo que a democracia não pode confiar no PCP, o que é uma evidência histórica. O PCP considerou-se insultado e exigiu desculpas pelo desaforo. Vem o deputado Rosas ao barulho e disse que o CDS, o partido das fotocópias, rapinou segredos de Estado do gabinete lá para casa e não tem moralidade para atacar a quadrilhice do PCP, pois que de quadrilheiros se tratam também. Um debate ilustrativo da inferioridade moral da política dos nossos dias. Em qualquer país decente do mundo o fornecimento de documentos à espionagem estrangeira é crime e dá cadeia. Em qualquer país decente do mundo subtrair documentos do ministério é crime e dá cadeia. Cá todos estão impunes e, pior, com assento na Assembleia da República. Impunes. Imunes. Achados. E nós, perdidos de vergonha com tal representação.
(publicado na edição de hoje do Democracia Liberal)

3 comentários:

Anónimo disse...

Sim, muita vergonha

Advento disse...

O seu texto deveria ser afixado em todos os recantos deste cada vez mais pobre país.

António de Almeida disse...

-É melhor o segredo de estado ficar com o governo, alguém no seu perfeito juízo acreditaria, que os serviços secretos dos nossos aliados nos informariam sobre movimentações da Al-Qaeda, sabendo que o dr Fernando Rosas teria acesso ás mesmas?